O poder da união: cooperativismo é modelo de desenvolvimento

 In Clipping, Cooperativismo

Para melhor definir o que é o cooperativismo, o presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar),João Paulo Koslovski, costuma recorrer ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, quando ele diz que “as cooperativas existem para mostrar à comunidade internacional que é possível buscar a viabilidade econômica com responsabilidade social”.

Talvez essa seja a virtude mais evidente do sistema e, de fato, o cooperativismo paranaense tem esse conteúdo com o trabalho de seus 680 mil cooperados, que o transformaram no mais desenvolvido do Brasil. Mesmo tendo nascido com uma identidade social forte, principalmente depois do boom agrícola do Estado, no final dos anos 1960 e 1970, o sistema paranaense desenvolveu-se e evoluiu, incorporando consistentes conceitos de administração. Com isso, transformou-se numa moderna empresa de resultados, sem perder o equilíbrio entre o econômico e o social, numa espécie de modelo para uma sociedade mais solidária e justa.

Há várias explicações para o sucesso do setor, que envolve atualmente 240 empreendimentos e, de alguma maneira, cerca de 25% dos 10 milhões de habitantes do Paraná, sendo responsável por uma geração de riqueza equivalente a 55% do PIB agrícola do Estado e de quase 20% do PIB total. O setor como um todo obteve um faturamento de R$ 30 bilhões em 2011 – um crescimento de 14% em relação a 2010 –, contando com pelo menos 11 empreendimentos com movimentação econômica superior a R$ 1 bilhão ao ano.

A principal delas é o modelo fundiário estabelecido no Paraná nas décadas de 60 e 70 do século passado, que consolidou-se baseado em módulos de menos de 50 hectares, ou seja: pequenas propriedades. Calcula-se que mais de 80% das 380 mil propriedades paranaenses se encaixem nesse perfil. E são os pequenos e médios produtores justamente os que precisam associar-se para competir, ter acesso aos grandes mercados e obter crédito, conhecimento e tecnologia. O grande já tem tudo isso naturalmente. No início da colonização, tanto do norte como do oeste paranaense, o módulo de terra a ser ocupado e definido pelo Incra na época era de 12 alqueires (25 hectares) e, para um produtor sobreviver com essa área, não podia estar sozinho.

 

Para ler na íntegra, clique aqui.

Recommended Posts

Leave a Comment

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text. captcha txt