Grão convencional ganha valor no Paraná

 em Clipping

A soja convencional voltou a ser apontada como alternativa para quem quer arrecadar mais com a produção. Desenvolvido no Mato Grosso, o programa Soja Livre, que incentiva o cultivo de grãos sem modificação genética chega ao Paraná nesta safra. Os produtores estão se organizando e reagindo à escassez de sementes convencionais, enfatiza Ivan Paghi, diretor técnico da Associação Brasileira dos Produtores de Grãos Não Geneticamente Modificados (Abrange).

Paghi está no Paraná para a realização de dias de campo em que o Soja Livre é um dos destaques. Ele estima que o estado ainda planta em torno de 25% de soja convencional e pode receber bônus se essa produção for segregada. Os custos das duas opções são praticamente os mesmos, avalia.

O produtor Renato Haroldo de Geus, de Carambeí (Campos Gerais), cultiva 50% de uma área de 600 hectares com sementes transgênicas e 50% com convencionais. Tem bônus de R$ 3,4 por saca de 60 quilos para os grãos livres de transgenia pago pela cooperativa Batavo. Planta transgênicos tolerantes a glifosato onde precisa controlar o mato na fase de crescimento da lavoura. O bônus representa ganho de mais de 5% no preço final, um adicional comparado ao que os produtores de sementes recebem em regiões que têm clima privilegiado e colhem grãos com maior potencial de germinação.

Na visão de Anacleto Luís Ferre, gerente agrícola da cooperativa Batavo, o prêmio pago pela indústria à soja convencional não é suficiente para atrair o agricultor em larga escala, pelo risco de rendimento inferior. “A pesquisa das sementes convencionais não evolui tanto quanto a das transgênicas”, afirma.

 

Fonte:

Gazeta do Povo

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt