Mobilidade holandesa: muito além da bicicleta

 em Brasil Holanda, Clipping

Com a população em torno de 17 milhões de pessoas – dois milhões a menos do que a região metropolitana de São Paulo – a Holanda é um país que se pode atravessar, de ponta a ponta, sem sair da ciclovia. É também um modelo mundial de integração dos modos de transporte.

Mas, que lições as cidades holandesas, tão diferentes das grandes e complexas metrópoles brasileiras, podem trazer para a mobilidade em nosso país? Quem responde é o especialista de mobilidade urbana da Movares Nederland B.V., Ivo Bastiaansen, em entrevista à Victoria Brodus, colaboradora do Mobilize. Nesta entrevista, Bastiaansen fala, entre outros temas, do desenvolvimento e funcionamento do sistema de transportes holandês.

Todas as cidades holandesas são exemplos de mobilidade urbana e integração entre modos de transporte?
Algumas cidades holandesas são sim exemplos de integração modal, especialmente as maiores, como Amsterdã, Utrecht e Roterdã. Por outro lado, há cidades em outros paises que neste aspecto são melhores ainda – é o caso de Basel, na Suiça, onde o bonde (tram) liga as zonas rurais ao centro da cidade; Karlsruhe, na Alemanha, onde o bonde utiliza o trilho do trem para facilitar o acesso ao mercado principal; e Paris, onde as linhas do bonde não são apenas orientadas para o centro, mas também são tangenciais.
Uma das características mais evidentes do sistema de transporte holandês é o uso da bicicleta. Sem a bicicleta, nossos estreitos e densos centros urbanos já não seriam acessíveis. As ruas das cidades do século 17 não eram feitas para carros. E a bicicleta é uma alternativa de transporte individual que dá liberdade e rapidez em percursos curtos. Além disso, o crescente uso da bicicleta faz diminuir a demanda pelo transporte público.

Qual é a divisão modal na Holanda? E o papel do carro?
A divisão modal (excluindo aqui os pedestres) é a seguinte: carro, 53%; bicicleta, 30%; e transporte público,17%. Como se vê, o carro ainda é um transporte importante, mas, se ninguém usasse os outros modos, o país inteiro viraria um grande engarrafamento. Então, a nossa estratégia é: promover o sistema mais adequado, em todos os lugares, e seduzir as pessoas para que utilizem os diferentes modos durante uma viagem. Em particular, tentamos facilitar a transferência entre carro e transporte público. Por exemplo, a maior parte das estações de trem oferecem estacionamento barato para incentivar as pessoas a deixarem os carros e pegarem o trem.

Como funciona o transporte público? O bilhete único vale para todo território nacional ou apenas nas maiores cidades?
O sistema é válido para todo o território. O bilhete único está passando por um processo de transição, mudando do antigo strippenkaart, que valia para ônibus e bondes do país, para o novo cartão OV-chip, que incluirá ônibus, bondes e trens, em todo o território nacional. Grupos especiais – idosos ou estudantes, por exemplo – têm tarifa preferencial, subsidiada pelo governo. No futuro – ou pelo menos no sonho dos engenheiros de transporte – todos terão um cartão OV-chip para usar em qualquer transporte público, e que funcionará como um cartão de débito.

 

Para ler na íntegra, clique aqui. 

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt