Parque Histórico de Carambeí faz apresentação à Fiep-PG

 em Destaque, Noticias

A curadoria executiva do projeto cultural foi conversar com os empresários para desmistificar a Lei Rouanet, de incentivo à Cultura.

O Parque Histórico de Carambeí fez uma apresentação sobre a Lei Rouanet ao Conselho Consultivo da Federação das Indústrias do Paraná – Regional Ponta Grossa (Fiep-PG), na noite desta segunda-feira (19), na sede da organização.

A curadoria executiva do Parque Histórico, através de Guilherme Klopffleisch e Fábio Silvestre, acompanhada pelo vice-presidente da Cooperativa Agroindustrial Batavo e diretor do Parque, Gaspar de Geus, explicaram o funcionamento da Lei de Incentivo Cultural e abordaram o caráter indutor da cultura na economia regional.

“Fiquei extremamente impressionada porque acredito que a maior parte dos empresários não têm informações suficientes sobre essa destinação de parte dos impostos, que, de certa forma, são bastante simples”, ressaltou Indianara Prestes Mattar Milleo, vice-presidente executiva e coordenadora regional da Fiep-PG.

De acordo com Indianara, os esclarecimentos foram bastante proveitosos e criarão uma nova mentalidade no empresariado. “O que acho mais importante é provocar uma reação em nosso empresariado, para direcionar esses recursos à Cultura”, disse. Indianara destacou que o Conselho Consultivo é composto por aproximadamente 50 empresários e representantes da sociedade e que atuarão como multiplicadores desta informação.

“Em nossa conversa, mostramos que o mecanismo de fomento cultural passa por uma atuação local dos empresários com relação à Lei Rouanet e os seus beneficiários, os produtores e o público”, disse Fábio Silvestre. Um dos exemplos abordados durante a reunião foi a forma em que se dá o repasse dos 4% do Imposto de Renda devido, da pessoa jurídica, que a Lei possibilita.

Segundo Silvestre, o recurso, que é na verdade do Estado, é repassado por um depósito em uma conta aberta pelo Ministério da Cultura e administrada pelo projeto cultural e o empresário fica de posse de um recibo que irá entregar ao fisco. “Todo o tramite de prestação de contas da utilização dos recursos fica de responsabilidade do projeto cultural e não do empresário cedente”, explicou.

“O que precisamos é que todos entendam que essa é uma forma eficaz de ver onde seus impostos estão sendo empregados em sua região, fomentando a economia, gerando empregos através da cultura”, enfatizou o curador.

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt