Errata Almanaque dos Imigrantes 10: Cooperativa Agro-Pecuária Holambra

 em Noticias

O Almanaque dos Imigrantes, edição 10, não continha informações sobre a Cooperativa Agro-Pecuária Holambra no seu histórico das principais cooperativas de base holandesa em atividade no país. Segue abaixo, um panorama histórico dessa cooperativa:

Com a Europa devastada pela II Guerra Mundial e buscando novas perspectivas de vida, grande parte dos agricultores holandeses saiu à procura de uma terra fértil e produtiva para reconstruir seus ideais. Na época, o Brasil era o único país que aceitava imigração em grupo. Esse fator, aliado às boas condições de clima e solo brasileiro, fez com que lavradores e horticultores católicos estudassem a possibilidade de instalar um núcleo no país.

Assim, em 5 de junho de 1948, nascia a COOPERATIVA AGRO-PECUÁRIA HOLAMBRA, cujo nome é uma associação das palavras Holanda, América e Brasil. Com o apoio do Governo brasileiro, foi adquirida em Mogi Mirim, SP (terras que posteriormente passariam a integrar os municípios de Jaguariúna, Artur Nogueira e Cosmópolis) a Fazenda Ribeirão, com 5.000 Ha (cerca de 2.000 alqueires). Não é difícil imaginar as dificuldades que este fato acarretava. Cabia a Cooperativa exercer, além de suas atividades fins, o papel de “prefeitura” do local (isso antes da emancipação). A história de Holambra não pode ser contada sem a CAPH, com o objetivo de viabilizar a comercialização da produção dos “holambrenses”, o cooperativismo foi o embrião do desenvolvimento da cidade.

Os imigrantes iniciaram o estabelecimento de granjas com produção variada e, através de empréstimos dos governos brasileiro e holandês, puderam comprar máquinas e implementos para trabalhar o solo da fazenda, que foi o núcleo inicial da Cooperativa.

A vida econômica da Holambra baseou-se inicialmente na pecuária. Em pouco tempo perceberam que o gado holandês trazido da Europa não se aclimataria ao Brasil. Após esta constatação começam a se dedicar com mais afinco à agricultura, avicultura e suinocultura.

O progresso do setor de aves e ovos foi sólido e a produção vendida nos anos de 1967 a 1969 chegou até mais da metade de todas as vendas da Cooperativa em conjunto. Os cooperados obtiveram melhor rentabilidade nesse setor em detrimento de Gado e Leite (que em rentabilidade não puderam competir com as Aves) e a Suinocultura caracterizada por longos períodos de preço em baixa. A dependência dos resultados de apenas um setor é sempre muito perigoso, mas a participação das aves e ovos baixou para 37% no total das vendas da Cooperativa, dando mais equilíbrio.

A Agricultura tomou, em 1970, a tradicional liderança sobre a Pecuária na CAPH, graças a três produtos. O mais notável surto de desenvolvimento verificou-se com a Floricultura, que no último ano superou, no setor agrícola, a Citricultura e a Cotonicultura.

Nos anos 80 a produção de flores começou a aumentar atendendo a demanda crescente. Novas tecnologias e mudas asseguraram qualidade e eficiência. A CAPH distribuía seus produtos para todo o Brasil. Procurou-se a distribuição através do CEASA em Campinas onde cada produtor comercializaria seus produtos. Com esse sistema os atacadistas rapidamente se fortaleceram e os produtores se enfraqueceram.

Essas dificuldades obrigaram a CAPH a buscar alternativas para o problema da distribuição. Surgiu então o Veiling, nos moldes holandeses onde as vendas passaram a funcionar todas as manhãs antes do CEASA. Com isso, os atacadistas passaram a formar os preços no Veiling sem forçar os produtores ou a CAPH a diminuírem suas margens. A utilização de tecnologia e a qualidade da produção transmitiram ao mercado uma imagem de profissionalismo e competência e o nome Holambra passou a reinar no mercado de produtos de qualidade.

Para mitigar os riscos da concentração de negócios em flores, no fim dos anos 80 os produtores passaram a diversificar sua produção e muitos passaram a abrir granjas de aves e suínos. A CAPH buscou a diversificação porque acreditou que o mercado de flores estava perto de uma queda forte de preços e demanda. Com isso a CAPH passou a abater e a distribuir frangos e comercializar suínos em pé. A diversificação nessas indústrias oferecia um retorno relativamente rápido na área de frangos e boas margens no caso dos suínos e embutidos.

A CAPH estava realizando seus investimentos quase exclusivamente com financiamentos.  Na época, o crédito era fácil e a taxa de juros subsidiada, e o endividamento da CAPH cresceu rapidamente.

Em função da diversificação, a CAPH, nos anos 90 resolveu se organizar em unidade de negócios. Cada atividade passou a ser administrada como uma unidade separada com independência administrativa, porém com o caixa centralizado a nível de cooperativa e não a nível de unidade de negócio.

Antes do advento do Plano Real, as integrações de frangos e suínos, produtores de flores e outros setores da economia agrícola pararam de fazer investimentos para expandir sua capacidade produtiva. A ampliação do abatedouro da CAPH (90/91) preencheria a necessidade de diversificação dos seus cooperados, bem como a instalação de sua operação de abate de suínos e produção de embutidos (anos 94 e 95). No entanto as expectativas não se materializaram. A oferta na região foi muito acima da demanda e as margens foram espremidas.

Em 2001 e 2002, foram desmembradas as três novas cooperativas da CAPH, Cooperativa Veiling Holambra – CVH, Cooperativa de Insumos, Defensivos, Fertilizantes e Sementes Holambra – SCAIH e Cooperativa Pecuária Holambra – CPH. Isso, porque cooperativa multifuncional, no mundo todo, está dando lugar à cooperativa especializada.

A Cooperativa Agro-Pecuária Holambra – CAPH ganhou papel de “holding” / Central, que equaciona com seus credores o passivo e com seus devedores o ativo.

A Cooperativa Holambra detém tecnologia e produtividade suficientes para situá-la como uma das regiões de maior produtividade agrícola e agro-industrial do Brasil.

O Cooperativismo na Holambra tem uma filosofia que pretende a humanização do capitalismo e seu objetivo vai além do campo econômico (“operar para melhor competir”), pois procura também promover o bem estar social de seus cooperados e funcionários.

Flores e Plantas

O plantio iniciou-se em 1957 quando alguns imigrantes trouxeram os primeiros bulbos (tubérculos, lembram uma batata, de onde brota a planta). Com a aquisição do primeiro conjunto de irrigação os produtores começaram realmente a se dedicar com profissionalismo e eficiência a essa atividade agrícola. Investimentos em câmaras frias, estufas para as plantas e sistemas de vendas e transportes vieram incrementar definitivamente o setor a partir da década de 70. Vários produtos são exportados estes tendo reconhecimento e qualidade no Brasil e no exterior.

Hoje a Cooperativa Holambra, através de seus cooperados, é, sozinha, a maior produtora de flores e plantas ornamentais do Brasil. Participa com cerca de 40% da produção nacional do setor. Seus cooperados exportam para os mais diversos países do mundo, inclusive para a própria Holanda.

São cultivadas aproximadamente 180 espécies de flores e plantas divididas em mais de 2 mil variedades.

Produtos

Plantas, flores, frutas, trigo, aveia, milho, algodão, verduras entre outros.

Animais: Frango para abate, vendidos inteiros ou em partes, produção de ovos, suínos, etc…

Produção

Frangos: cerca de 75 mil frangos por dia

Leite: cerca de 3 mil litros de leite por dia

Ovos: cerca de 300 mil ovos por dia, embora os associados não comercializem através da Cooperativa;

Suínos: cerca de 10 mil suínos para abate ao mês, embora os associados não comercializem através da Cooperativa;

Ração: aproximadamente 11 mil toneladas/mês;

Pintainhos (pintinhos de um dia): 1,2 milhões/mês;

Flores e Plantas – Os números e as variedades são grandes, citamos alguns:

> Violetas – cerca de 26 mil vasos/ano

> Rosas – cerca de 10 mil unidades/mês

> Crisântemos – aprox. 900 mil maços/ano

.

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt