Faisal Saleh concede entrevista exclusiva ao Almanaque Imigrantes

 em Noticias

Faisal Saleh, secretário estadual do Turismo, concedeu uma entrevista exclusiva para o Almanaque Imigrantes, sobre as perspectivas do turismo nos Campos Gerais. Abaixo, você confere a íntegra da entrevista:

PHC: Como o senhor vê os Campos Gerais no cenário do Turismo do Paraná? Quais são as principais políticas públicas que esta Secretaria está tratando para a região?

Faisal Saleh: A Região Turística Campos Gerais está entre as regiões prioritárias para o Turismo no Paraná. No momento o destino Ponta Grossa este sendo trabalhado pelo MTur para integrar o rol dos Destinos Indutores do Brasil para o Turismo Internacional. A região se destaca pela diversidade de atrativos e equipamentos, que possibilitam o desenvolvimento de diferentes segmentos turísticos. Podemos citar como principais vocações o ecoturismo – devido as Unidades de Conservação existentes como os Parques Estaduais de Vila Velha, Guartelá e Cerrado, além das RPPN de Itaytyba e São Francisco; o turismo cultural e dentro dele o étnico e o religioso, com as diferentes colônias de imigrantes e monumentos religiosos, e o turismo de negócios e eventos com destaque para a concentração de indústrias e o agronegócio.

A SETU vem conduzindo a política pública através do Conselho de Turismo do Paraná, atingindo todas as 10 regiões turísticas, através do fortalecimento de alianças estratégicas com o poder público e a iniciativa privada, que permitam alavancar o turismo a partir das especificidades de cada uma delas. Principalmente busca-se estabelecer a cultura da viagem e da hospitalidade, de forma a atingir a sociedade e a economia.

PHC: Indicadores do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares dos Campos Gerais e do Ponta Grossa Convention & Visitors Bureau, indicam que a permanência do turista na região aumentou em um dia após a inauguração, em abril, do Parque Histórico de Carambeí. Qual a sua opinião sobre as etnias que compõe o Paraná e sua importância para o Turismo, em especial a imigração holandesa?

FS: É sabido que no Turismo os principais indicadores de gestão estão ligados ao fluxo de visitantes, à permanência média destes nos destinos e à receita gerada com seus gastos nestes destinos. Sendo assim, a disponibilização de um novo produto – diferente e com qualidade, no mercado contribuirá para o incremento destes índices. Fica evidente que a inauguração do Parque Histórico de Carambeí alavancou um número maior de visitantes para a Região, mas somente o Parque em si não traria resultados tão rápidos. Certamente a divulgação do município em Feiras e Eventos do setor como também em veículos de comunicação, a atratividade do produto, seu conteúdo cultural e histórico, seus produtos derivados ofertados no município e no seu interior, aliados a uma boa organização e gestão na área do turismo – tanto do poder público como da Associação responsável – e a recepção hospitaleira para os visitantes, contribuíram para este sucesso. Agora é manter o produto em evidência, sempre inovando e buscando novos públicos.

Acreditamos que o turismo étnico é fundamental para o desenvolvimento sustentável que se almeja para o Estado, principalmente pensando que a imigração é um elemento forte em toda a região sul, e sem dúvida a força dos imigrantes holandeses foi responsável pela pujança econômica e cultural não só da Região, mas também para o Estado. Salientamos o sucesso que foi o estande da região Sul no Salão Brasileiro do Turismo realizado em São Paulo no mês de julho, que teve na imigração a sua temática, onde o Paraná apresentou em parceria com Carambeí e a Associação dos Municípios dos Campos Gerais, todo o legado cultural herdado dos holandeses, traduzidos na arquitetura, usos e costumes, vestimentas, gastronomia, etc., tão bem aceitos pelo Turismo.

PHC: Na região existe muito turismo técnico-científico e de negócios, esta Secretaria tem algum projeto específico para estes segmentos do turismo?

FS: Temos sim. Dentro de nosso Plano de Ação o Turismo de Negócios será tratado como um projeto especial, e juntamente com a Federação dos Convention & Visitors Bureaux e Associações como a ABEOC e a ABRACCEF, pretendemos impulsionar ainda mais os produtos e o posicionamento mercadológico do Estado neste segmento. Atrativos como as cooperativas, as hidrelétricas, as indústrias, as fazendas modelo e tantos outros recursos farão parte da oferta disponibilizada pelo Estado, a ser divulgada com ferramentas específicas que estão sendo formatadas pelos técnicos envolvidos. E sem dúvida os Campos Gerais tem muito a oferecer, além do que já oferece. As parcerias com Associação Comercial e Industrial, Cooperativas e com o Ponta Grossa Convention & Visitors serão fundamentais.

PHC: Nesta linha da formação étnica do estado, já existe algum plano de aproveitar as comunidades de imigrantes como atrações para os turistas da Copa do Mundo em 2014?

FS: Recentemente a SECOPA criou em sua estrutura a Comissão de Turismo e prontamente a SETU tomou para si a Coordenação da mesma junto com o Instituto Municipal de Turismo. Mas, estas duas entidades não trouxeram de forma individual esta tarefa, e sim puseram aos Conselhos de Turismo – Estadual e Municipal está responsabilidade, por entender que a COPA FIFA 2014 é uma ação coletiva que envolve ganhos e responsabilidades de diferentes atores – públicos e privados. As principais ações que estão sendo formatadas por essa Comissão serão voltadas à recepção turística, roteirização, desenvolvimento da produção associada, capacitação, sinalização e com certeza o componente cultural étnico será muito bem aproveitado, tanto nos roteiros propostos como na produção associada, incluindo o artesanato, as apresentações culturais, a gastronomia e as vestimentas.

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt