Energia limpa: oportunidade para expansão

 em Clipping, Sustentabilidade

A implantação de tecnologias de energia limpa não está acompanhando na velocidade suficiente o crescimento das energias renováveis. A conclusão consta em um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), que faz um radar do progresso das energias limpas de energia a nível mundial. O estudo aponta que a maioria das tecnologias não está preparada o suficiente para contribuir para a redução de dióxido de carbono (CO2) necessária no planeta. O relatório estimula políticas agressivas para promover os benefícios oferecidos pelas técnicas limpas de geração.

O relatório oferece três recomendações para o mercado: nivelar o campo para tecnologias de energia limpa; liberar o potencial de eficiência energética; e acelerar a inovação de energia e apoio público para pesquisa, desenvolvimento e demonstração.

O relatório aponta que muitas tecnologias com grande potencial de geração e de redução de emissões não estão atingindo os resultados que podem. O estudo mostra que não está havendo o investimento necessário para projetos de captura e armazenamento de carbono em escala. A pesquisa revela que quase a metade de novas usinas a carvão ainda estão sendo construídas com tecnologia ineficiente.

Segundo o estudo, a melhoria da eficiência do combustível de veículos é lento e o potencial de eficiência energética permanece inexplorado nos ectores da construção e da indústria. Além disso, apesar de os governos projetarem a ambiciosa meta de 20 milhões de veículos elétricos até 2020, os objetivos dos fabricantes após 2014 ainda são incertos. O mesmo acontece com a energia nuclear, que enfrenta oposição pública.

A publicação destaca o rápido progresso de algumas tecnologias renováveis, como os painéis solares e equipamentos eólicos que

cresceram, respectivamente, 42% e 27% (onshore), na última década, apesar de partirem de uma base pequena de comparação. Além disso, em três anos, houve redução de 75% nos custos do sistema de energia solar fotovoltaica em alguns países.

“Temos a responsabilidade e uma oportunidade de ouro para agir”, disse o vice-diretor-executivo Richard H Jones. Ele alerta que as emissões de CO2 devem aumentar em um terço até 2020, chegando a quase o dobro em 2050. “Tal resultado seria confrontar as gerações futuras com significativas dificuldades econômicas, ambientais e de segurança energética – um legado que eu sei que nenhum de nós quer deixar para trás “, complementa Jones, que apresentou o estudo em Londres, durante um evento sobre energia limpa.

 

Para ler na íntegra, clique aqui.

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt