Sustentabilidade deve estar no dia-a-dia

 em Clipping, Sustentabilidade

Comissão presidida por José Carlos de Salles Gomes Neto, a de Sustentabilidade aprovou a tese “A indústria da comunicação como elemento catalizador para mobilizar e engajar a sociedade civil em um plano de sustentabilidade”. A comissão contou, ainda, com a participação do editor de comunicação do Meio & Mensagem, Alexandre Zaghi Lemos, como relator, com Hiran Castello Branco, vice-presidente de operações da ESPM, como secretário-executivo e, por fim, destacaram-se como palestrantes o jornalista e professor André Trigueiro, o presidente-executivo da Editora Abril, Fabio Barbosa, e a ex-Ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.

Em sua introdução do tema, Salles Neto apresentou o desmembramento da tese em três proposições que a Comissão levará ao mercado. A equipe sugere que seja feita uma campanha anual, aos moldes da Campanha da Fraternidade, promovida pela Igreja Católica, para incentivar o debate sobre o tema da sustentabilidade. Em segundo lugar, defende o endosso e recomendação dos Indicadores de Sustentabilidade e que as empresas passem a fixar metas mensuráveis para suas ações nessa área. Finalmente, o grupo defendeu que sejam realizados trabalhos para estimular as boas práticas de comunicação em sustentabilidade, que enalteçam ações da iniciativa privada e de ONGs.

Primeiro a expor suas ideias na Comissão, Fabio Barbosa ressaltou a mudança do modelo de relacionamento entre pessoas, governos e empresas de “independente” para “interdependente”. E esse mundo em rede pede um novo jeito de fazer negócio. “Não é necessário abrir mão da economia pelo sustentável, porque está provado que as empresas que têm práticas de sustentabilidade são as que mais vendem”, disse Barbosa. Para o executivo, as empresas precisam aprender a colocar a sustentabilidade no seu dia-a-dia e não encará-la como ação compensatória.

O jornalista André Trigueiro avaliou a própria formação dos profissionais de sua área que, segundo ele, que também é professor na PUC-RJ, não são preparados para lidar com um mundo de esferas distintas mas interligadas e não recebem formação particularmente para os assuntos relativos à sustentabilidade. “Clima é um assunto para todas as editorias; não há diferença entre economia e sustentabilidade. E todos que levam a sério a sustentabilidade correm risco, assim como falar em inovação é fácil, mas vai fazer para ver”, instigou.

Trigueiro destacou que o jornalista – para o bem ou para o mal – também exerce um papel de educador e isso lhe impõe (ou deveria) uma reflexão ética sobre o seu trabalho. Ele também destacou a expansão da comunicação via internet que tornou todas as pessoas provedoras de conteúdo e que essa desconstrução da indústria da comunicação também é um momento para usar a informação na construção de um mundo melhor e sustentável. Para ele, a Rio+20 será um teste e o que as grandes redes de comunicação não cobrirem estará na rede mundial de computadores e nas redes sociais. A internet, acredita, definirá os rumos da sustentabilidade.

 

Para ler na íntegra, clique aqui. 

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt