Coletando lembranças e tecendo memórias do feminino – A contribuição de Wilhelmina Verschoor

 em Destaque, Noticias, Sem categoria

wilhelmina_compressed
Reprodução em homenagem Wilhelmina Reugenbrink Verschoor

O Parque Histórico sempre buscou trazer a tona questões pertinentes para a contemporaneidade: sustentabilidade, cooperativismo, economia criativa e integração cultural são temas comuns na abordagem temática dos espaços museais do APHC. A mais nova proposta é o espaço dedicado à memória das mulheres imigrantes, o projeto é alinhado com as perspectivas da emergência da nova museologia, presentes nas discussões atuais da museologia social e no direcionamento para a museologia de gênero.
Em forma de exposição de longa duração, com pertences pessoais e fotos de mulheres imigrantes, o espaço busca reescrever a narrativa da formação histórica do município dando o devido protagonismo à figura da mulher.
Uma das motivações para a criação do projeto foi a trajetória e história da pioneira Wilhelmina Verschoor, que muito contribuiu para o crescimento e bem estar da antiga colônia.

 

WILHELMINA REUGENBRINK VERSCHOOR

Wilhelmina Reugenbrink Verschoor deixou a comunidade de Gonçalves Junior, na região de Irati, juntamente com seu marido e transferiu-se para a Colônia de Carambehy. Mina, como era chamada carinhosamente, não se identificava como pioneira, mas provavelmente como mulher holandesa, como mãe, esposa e tia. Uma mulher batalhadora, que além dos quatro filhos, criou os sobrinhos que ficaram órfãos.
Nas duas primeiras décadas do século XX, além das tarefas do lar, de mãe e esposa, Wilhelmina assumiu as funções de cuidar dos doentes e de parteira. Durante anos ela e a filha Wilhelmina Verschoor Los foram responsáveis pelo nascimento de várias crianças na comunidade, e como tal, muitas vezes tiveram que sair de suas camas quentes, em noites de inverno rigoroso, para caminharem na escuridão e no frio, a fim de atender as gestantes em processo de parto. Dessa forma, naqueles anos difíceis e com poucos recursos financeiros e de transporte, a comunidade contou com sua dedicação que, além de dedicar-se a todas as atividades domésticas, prestou atenção e cuidado a homens e mulheres.
Wilhelmina, também organizou a primeira Biblioteca de Carambeí ainda nos primeiros decênios do século XX. Preocupados com a comunidade, ela e seu esposo Leendert Verschoor solicitaram livros a uma instituição cultural holandesa. Inicialmente organizou a biblioteca em sua casa, já na década de 40, os livros foram levados para a casa da senhora Geralda Harms, e mais tarde transferidos para o Clube Social onde permanecem até hoje.
Legitima representante feminina, Wilhelmina foi sumamente importante nos primeiros anos da colonização holandesa em Carambeí, ajudava o marido com os doentes, consolava e aconselhava os necessitados.

1- Verschoor_compressed
Família Verschoor na Colônia Gonçalves Júnior

digitalizar0061_compressed
Registro Família Veschoor

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt