Museu se preocupa em democratizar o acesso dos visitantes

 In Destaque, Noticias

 

Parque Histórico se prepara para receber visitantes com necessidades especiais.

Pensando no bem estar dos visitantes a Associação Parque Histórico de Carambeí (APHC) se prepara para receber pessoas com deficiência visual na Casa da Memória, primeira ala museal da instituição.

A Casa da Memória, composta por um ambiente museal, pelo souvenir e o Koffiehuis Confeitaria e Restaurante Parque Histórico de Carambeí, é a primeira ala do Parque que foi instalada a sinalização em braile. Pensando nas pessoas que tem dificuldade para enxergar, foram colocadas placas com letras grandes e spot de luz direcionado, deste modo facilita a leitura dos visitantes com baixa visão.

O Koffiehuis, também, está sendo preparado para receber pessoas com necessidades especiais. Além das placas de sinalização em braile, o espaço possui mesas destinada a cadeirantes e cardápio para deficiente visual. “A inclusão desta forma, foi efetivada e realmente vivida, de tal forma que, que uma ex-aluna minha participou de um evento realizado pela instituição, circulou com tranquilidade pelo ambiente museal. Bem como, escolheu o seu sabor de torta preferido sem depender de outras pessoas”, anima-se a pedagoga e especialista em inclusão, que prestou consultoria a APHC, Bruna Rafaela Pontes Kremer.

Koffiehuis Restaurante e Confeitaria Parque Histórico tem cardápio em braile

As placas indicativas em braile fazem parte do projeto Inclusão e Acessibilidade que a instituição iniciou em 2015 para atender visitantes com necessidades especiais. O primeiro passo que a instituição deu, neste sentido, foi a Oficina Sentir-se no Outro, um treinamento direcionado para funcionários aprenderem a receber e atender visitantes com alguma deficiência. No mesmo ano, foram instaladas caixas de som na Vila Histórica, ala museal com reproduções das primeiras construções de Carambeí, com o intuito de ambientar os visitantes e permitir que o deficiente visual com a audição e o auxílio do tato possa conhecer o museu.

“A maneira como a acessibilidade foi desenvolvida o Parque Histórico tornou real a democratização do acesso das pessoas com necessidades especiais O atendimento dos mediadores já capacitados, dos ambientes com sonorização e com rampas, das placas sinalizadoras e cardápios em braile trazem benefícios como a dignidade e a autonomia das pessoas que vão até o Parque. Demonstrando assim, que todos, apesar de algumas diferenças, devem ser tratados de igual maneira”, comenta a consultora.

Felipe Pedroso, historiador e coordenador cultural da instituição, conta que esse processo de adaptação pelo qual o museu está passando integra os Planos Anuais de Atividades aprovados pelo Ministério da Cultura em 2015 e 2016, que tem como exigência adaptação de espaço para pessoas com necessidades especiais e limitações. “Essa iniciativa tem como propósito tornar o museu um local de acesso pleno. A instituição conta com um carrinho elétrico e disponibiliza cadeiras de rodas para esse público na expectativa de tornar, cada vez mais, o museu como um espaço democrático”.

Recommended Posts
Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text. captcha txt