O povo holandês e a tradição na produção láctea

O leite além de ser uma fonte de cálcio, proteína e gordura, é também um ingrediente base em muitos pratos da culinária holandesa. Usado tanto na produção da manteiga, como do queijo e do pão, ele se tornou um alimento importante na cultura dos Países Baixos. 

Já no século XVII, o leite era produzido no campo, para que em seguida, fosse encaminhado para as cidades. No entanto, é importante ressaltar que nessa época não havia nenhum controle de qualidade sanitário que regulamentasse a produção camponesa desse gênero alimentício. Mesmo nesses moldes, a qualidade da manteiga holandesa – especialmente as da região da Frísia e das cidades de Delft e Leiden – era famosa no mercado internacional.

Na mesma época, ironicamente, os holandeses foram apelidados de “comedores de queijo” pelos alemães, os flamencos já falavam de “cabeças de queijo” e um panfleto inglês dizia: “O holandês é um verme de queijo voluptuoso e gordo de duas pernas”, pelo fato de produzirem e consumirem queijo em grandes quantidades. Entretanto, nem mesmo o consumo nacional era capaz de absorver toda produção desse alimento, a nação lucrou muito com a exportação do seu queijo para os países vizinhos, o que além de influenciar na sua economia, também contribuiu para o aperfeiçoamento das técnicas queijeiras. 

A marinha holandesa mantinha a harmonia de sua tripulação com isso: meio quilo de queijo e meio quilo de manteiga faziam parte da ração semanal. Isso significava que um pequeno navio carregava enormes suprimentos de laticínios.

Durante séculos, a manteiga foi um produto da fazenda, para uso próprio e para comercialização. No século XIX, a manteiga foi utilizada pelos agricultores como um meio de troca pelo qual eles podiam obter um pedaço de pano, artigos coloniais ou suprir as necessidades diárias.

Regiões da Frísia, Holanda do Norte e do Sul, eram tradicionalmente conhecidas por sua alta produção de leite; a pecuária havia se especializado em fazer manteiga e queijo, e os produtos vendidos em mercados distantes das fazendas produtoras. Tradicionalmente, essas regiões leiteiras tinham especialidades próprias e produtos muito singulares. O queijo era produzido principalmente nas fazendas do norte e do sul da Holanda, os fazendeiros da Frísia eram fabricantes de manteiga de renome internacional. 

Desde os tempos medievais o povo holandês era reconhecido pela sua notória produção láctea. Leite, manteiga e queijo tornaram-se símbolos da identidade desse povo e esses produtos fortemente enraizados na cultura neerlandesa. Prova disso é o papel que o “leiteiro” desempenhou nesta sociedade.

Até o final do século XIX, o leite era trazido para as casas da cidade pela figura do leiteiro. A princípio o leite era transportado em barris de madeira, que eram frequentemente limpos com água. O leite era transportado por carroças ou a cavalo com charretes, posteriormente chegaram as bicicletas adaptadas com um recipiente de madeira e às vezes uma plataforma baixa que podiam abrigar duas latas de leite. 

Houve muita competição. Muitas vezes, mais de um leiteiro aparecia em uma residência e, em alguns casos, vários leiteiros apareciam na porta para oferecer seus serviços. O leiteiro às vezes tinha uma chave mestra que caberia em todas as fechaduras de portas, ou deixava-se a porta da cozinha aberta no horário da entrega para que uma panela pronta pudesse ser enchida com leite. Os clientes recebiam frequentemente crédito, o chamado estufamento

A PRÁTICA LEITEIRA EM CARAMBEÍ

Quando os pioneiros vieram para Carambeí em 1911, trouxeram consigo, além do sonho de prosperar uma vida digna, as suas práticas culturais e suas técnicas de produção leiteira enraizadas em uma tradição láctea holandesa. Este saber-fazer veio a culminar na conjuntura econômica da colônia. 

Em 1916, por iniciativa da Brazil Railway Company, é instaurada a primeira fábrica destinada à produção de manteiga e queijo naquela localidade. Já em 1925, a firma de Geus & Cia denominada “Queijo Batavo”, é criada por duas famílias de colonos, e o seu comércio já atingia o interior paulista. Aos poucos as práticas pecuárias leiteiras e a fabricação de laticínios foram se demonstrando uma vocação destes imigrantes. 

“Fazer queijo não me parece difícil. O leite da noite é um pouco aquecido desnatado e depois misturado ao leite da manhã. Após coalhar, a substância deve ser cortada com cuidado, caso contrário, muita manteiga ficará dentro dela […] as fôrmas são preenchidas rapidamente e colocadas embaixo da prensa. Depois de observar muito tempo eu achava que já havia aprendido a profissão de queijeiro naquele mesmo dia” – relata Hendrick Kooy sobre o cotidiano de Jacob “ko” van Wilpe, que era um aprendiz da área leiteira na chácara de Aart Jan de Geus, no final da década de 1920. 

Nessa mesma década, devido a algumas dificuldades financeiras e uma tentativa sem êxito, de buscar um empréstimo do governo neerlandês para saná-las, os proprietários desse empreendimento leiteiro criaram, em 1925, a Sociedade Cooperativa Hollandeza de Laticínios, e mais tarde, em 1928, a marca Batavo, que viria a ser conhecida em todo o território brasileiro. 

Até 1950, praticamente toda agricultura local era voltada ao manejo de produção de alimentos para o gado de leite, pois a área leiteira era a principal fonte de renda dentro da colônia. 

No entanto, o que se produzia ali era pouco consumido entre os imigrantes e os seus descendentes, pois os seus fins eram comerciais. 

Um dos produtos criados pela cooperativa Batavo que se destaca como um exemplo de produção e inovação comercial é a bebida achocolatada a base de leite conhecida como “choba”. Seu nome é a junção das palavras chocolate e batavo. Posteriormente, ela passa a se chamar “chocomilk”, e adquire destaque no mercado brasileiro assim que se torna um sucesso de vendas.

Essa inovação mercadológica deste simples produto serve para ilustrar um procedimento tecnológico que expande a validade e as possibilidades de consumo das bebidas derivadas do leite. Esse destaque realça um procedimento que, iniciado em 1951, ainda possui uma dimensão que é sentida até os dias de hoje no mercado de bebidas lácteas. 

 

Quando começou a ganhar o mercado paulista, o queijo da colônia foi logo anunciado numa das principais revistas brasileiras de ampla circulação entre a sociedade paulistana. O queijo era anunciado como um artigo de luxo e alta qualidade e conhecido como Queijo Carambehy.

Contate-nos

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text. captcha txt