Globo Rural: Paraná tem um plano B para o trigo

 em Clipping, Cooperativismo

Uma movimentação industrial protagonizada por cooperativas pode ajudar a reverter o que ameaça ser uma tendência no Paraná: a redução na produção de trigo. Enfrentando problemas de comercialização e liquidez, o número de produtores que apostam na cultura cai 10% por safra na região. Com o anúncio de dois novos moinhos, um em Cascavel, da Coopavel, e outro em Ponta Grossa, resultado de uma parceria entre as cooperativas Batavo, Castrolanda e Capal, seus líderes pretendem, senão frear, amenizar essa debandada. “Resolver o problema da comercialização nós não vamos, mas, com novas indústrias, teremos um argumento para convencer o produtor a ficar na atividade”, diz Dilvo Grolli, presidente da Coopavel. “O objetivo é auxiliar no escoamento da produção e reduzir a dependência dos leilões do governo”, afirma.

As duas indústrias elevarão para 231 o número de moinhos no país. A Coopavel investiu R$ 43 milhões, e as cooperativas dos Campos Gerais R$ 30 milhões. Juntas, demandarão 240.000 toneladas de trigo (ambas iniciam atividades processando 120.000 toneladas), quase 10% da produção paranaense e 4% da safra nacional, de 5 milhões de toneladas.

Grolli diz que, na região de atuação da Coopavel, onde o cultivo do grão encolheu de 60.000 hectares para 37.000 hectares nas últimas quatro safras, o empreendimento devolverá ânimo ao campo. “A indústria demandará 20% da produção do oeste paranaense, que foi de 600.000 toneladas em 2011. Nosso objetivo é facilitar o escoamento e ter uma opção de cultura de inverno para evitarmos a monocultura do milho. O produtor sabe que isso é fundamental, e com o moinho ele não ficará com o estoque parado.”

Nos Campos Gerais, o moinho vai absorver quase toda a produção local, de 130.000 toneladas. Antonio Carlos Campos, gerente-geral da Batavo, também crê que a indústria poderá segurar o triticultor na atividade e estimulará o plantio, mas não enxerga um horizonte positivo em relação aos preços em curto prazo. “Vamos comprar a produção, mas não podemos garantir preços melhores que os praticados no mercado enquanto não houver mudanças no setor”, afirma.

Para ler na íntegra, clique aqui. 

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt